Estresse Pós-traumático

margarida_amarela

Pode-se dizer que o Estresse Pós-Traumático é um Transtorno de Ansiedade próximo ao pânico ou as características na Neurose Histérica de tempos atrás. Mas com algumas diferenças importantes que vem sendo atualizadas nas últimas décadas.

O Transtorno do Estresse Pós-Traumático ocorre em decorrência de uma severa adaptação de um indivíduo a um determinado meio, principalmente a característica hostil e destrutiva do evento como também sua frequência e grau de risco. Também é necessário observar o nível de sensibilidade do indivíduo porém, acima de qualquer sensibilidade precisa ser observada a magnitude do evento.
Não se trata de um estresse após um trauma. Trata-se de um transtorno que altera a forma como o indivíduo entende ou percebe a realidade após a um trauma severo, de destrutividade, desintegridade e aniquliamento do ser.

O agente estressor originário é externo e há vários níveis de intensidade e características no diagnóstico deste transtorno. O evento estressante permanece ininterruptamente sendo revivido pelo portador do Estresse Pós-Traumático por tempo indeterminado, dias, meses, anos, décadas ou a vida toda. Pelo que se percebe, a permanência mínima é de um mês.
Assim, o estresse evoca toda a gama de imagens mentais e reações emocionais e físicas  associadas ao evento estressante. Apesar de ainda assim haver pessoas mais “protegidas” ou “resistentes’ quando submetidas a eventos estressantes de intensas proporções ou catastróficos.

Dentre vários sintomas – aturdimento, desorientação, estreitamento da consciência, incapacidade de integrar estímulos, etc – , nos casos severos pode haver uma ruptura do corpo emocional do cognitivo, fazendo com que o portador do transtorno usufrua das suas capacidades mentais mas com uma diminuição significativa da vida emocional; dificultando os relacionamentos deste indivíduo.

Perda  da auto-estima, da sensação de segurança, aumento da sensação de vulnerabilidade  e a perda da fé e dos valores. Assim, o mundo passa a ser um lugar totalmente ameaçador. Solidão, desesperança, apatia, hostilidade e desconfiança são apenas alguns dos sintomas desse transtorno que tem uma gama ampla de características e complexidades, inclusive na evolução do quadro com alteração da personalidade.

Esse Transtorno foi melhor estudado e sistematizado nos anos 80, muito em função de famílias americanas onde algumas gerações de homens, tidos com vida militar e participantes de guerras, apresentavam sintomas e comportamentos semelhantes. Atualmente a vida submetida a violência de assaltos, sequestros e ataques terroristas já apresenta esse transtornos, e não mais apenas os participantes de guerras. Bem como a incidência entre policiais e agentes militares ou civis de combate a criminalidade, que também passam a apresentar caracterústicas semelhantes, próximas ou a manifestar de fato o TEPT.

Informações importantes:
. Florais não são medicamentos, são remédios para o autocuidado, de uso livre e sem efeitos colaterais (OMS).
. As essências florais trabalham pelo equilíbrio emocional e mental dos indivíduos, atuando no corpo físico por conseqüência desta harmonia;
. O tratamento com florais não substitui tratamentos médicos tradicionais ou vice-versa.
. As essências florais são melhor aproveitadas dentro de um tratamento terapêutico, embora a sua utilização circunstancial seja de grande benefício.
. Nunca interrompa um tratamento médico sem a anuência do seu médico.

  • 0

    Avaliação

  • Avalie

Compartilhar

Também pode te interessar